Buscar

Discos Favoritos: Automatic - The Jesus and Mary Chain.

Atualizado: Set 7

Incompreendido no lançamento, Automatic contêm cinco das melhores músicas da banda.



Escutando a Psychocandy hoje, é possível que o impacto sônico tenha se perdido um pouco. É difícil, hoje em dia, imaginar o quão incongruentes o Jesus and Mary Chain deve ter soado entre os Kajagoogoos ou Whams da época. Mas o influente álbum de estréia (1985) do The Jesus and Mary Chain, com sua mistura pioneira de feedback e as harmonias do pop dos anos 60, deixou um impacto sísmico, inspirando inúmeras e bandas de rock alternativa.

O álbum seguinte, Darklands, viu uma enorme mudança no som, ele desligou os amplificadores para uma abordagem mais contida. O álbum é sombrio e calmo, contando com violões e melodias mais descontraídas, menos distorção e arranjos mais sutis, permitindo um tom mais sóbrio. Elogiado pela crítica e pelo público, o Darklands mostrou que a banda poderia desligar a distorção e o feedback e as músicas ainda se manteriam em pé.

No momento a banda partia para seu terceiro álbum as expectativas eram altas, e pela direção sugeria por singles como “Sidewalking”, com seu som abrasivo e sombrio, ou “Surfin 'USA”, um retorno às origens. Mas não, a banda decidiu inovar.

Infelizmente, os críticos da época não captaram a ideia e Automatic foi duramente criticado após o seu lançamento pela utilização de drum machines e sintetizadores (não há baixo no álbum) e, por esses pecados, o Automatic ganhou desmerecida uma má reputação.

Mas apesar de duramente criticado, o som nítido das baterias eletrônicas e do baixo sintético dava um leito contrastante os zumbidos de guitarra, com surtos de feedback ainda salpicando de vez em quando, e vocais abrasivos dos irmãos Reid. Em retrospectiva, você poderia dizer que os resultados da nova abordagem eletrônica foram positivos, com um tech / rock que tinha mais relação com a New Order do que com a New Wave.

O álbum contém cinco de suas melhores músicas da banda: "Here Comes Alice", uma bala agridoce, "Coast to Coast", uma faixa pulsante com fantásticas partes de guitarra, "Between Planets", uma das minhas favoritas, "Blues From A Gun", seu single de maior sucesso nos Estados Unidos até então, e "Head On", musicalmente pulverizante: “Makes you want to feel / Makes you want to try / Makes you want to blow the stars from the sky”.

Dois anos depois, o Pixies, uma das bandas independentes mais respeitadas da época, ajudou a limpar a reputação do álbum, gravando uma cover de "Head On". Apesar das críticas duras no momento de seu lançamento, a recepção da crítica e dos fãs melhorou com o passar do tempo, e hoje em dia a maioria dos críticos coloca o álbum entre os melhores da carreira de Jesus e Mary Chain.



Gostou? Compartilhe!

© 2020 by Black / Blue Rock News

  • White Facebook Icon