Buscar

Music for The Masses - Parte III.

Atualizado: Set 19

Como Depeche Mode conquistou o mundo: Canções de Fé e Dissenso.



Leia a primeira parte aqui.

E a segunda aqui.


Após o sucesso da turnê Music for The Masses, Depeche Mode se livrou da fama da boyband adolescente e se tornou uma banda de rock de renome mundial. A banda decidiu se aproveitar do novo status e decidiu inovar. Para o próximo álbum, a banda adotou uma nova abordagem, conforme colocado por Alan Wilder: "Normalmente, começamos a gravar um disco realizando extensas reuniões de pré-produção, onde decidimos como o álbum realmente soará e depois entramos em um estúdio de programação. Desta vez, decidimos reduzir ao mínimo todo o trabalho de pré-produção”.

Em meados de 1989, a banda começou a gravar em Milão com o produtor Flood e o engenheiro François Kevorkian. Nesse ponto, Wilder, apoiado pelo conhecimento técnico de Flood, trabalhou intensamente nos arranjos e nas texturas das músicas. "Foi assim que fizemos o grupo trabalhar naquela época", esclareceu Wilder, "ao aceitar que todos tínhamos papéis diferentes e nem todos tentamos fazer a mesma coisa. Então, terminamos com esse contrato não escrito na banda, onde todos lançavam algumas idéias no começo de uma faixa, e então Fletch e Mart iam embora, e voltavam depois de trabalharmos por um tempo para dar uma opinião ”.

Além disso, a maneira como Martin Gore apresentou as músicas para a banda teve uma mudança radical. Depois das músicas quase terminadas apresentadas por Gore nas demos do Music for the Masses, Gore, concordando com o pedido de Wilder, manteve-as puras para o novo álbum. Várias das demos consistiam em apenas vocais sobre uma simples parte de violão ou órgão. Isso permitiu que a banda assumisse liberdades criativas com as músicas. "Enjoy the Silence", por exemplo, começou como uma balada lenta, mas, por sugestão de Wilder, tornou-se uma faixa pulsante e dinâmica.

Segundo Flood, as sessões de Milão não foram um trabalho substancial, mas geraram "Personal Jesus", que definiu o tom e o espírito do álbum. A música foi lançada como single mais de seis meses antes do álbum (28 de agosto de 1989 versus 19 de março de 1990). A banda então se mudou para os estúdios de Puk, no norte da Dinamarca, onde a maior parte do álbum foi gravada.

"Personal Jesus" foi uma partida radical de tudo o que a banda havia lançado até então, apresentando um riff cativante de blues e um som mais rock. Embora não tenha sido a primeira música do Depeche Mode a ter partes de guitarra, foi a primeira vez que uma guitarra foi usada como instrumento dominante.

A música foi inspirada no livro “Elvis and Me” de Priscilla Presley. De acordo com o compositor Martin Gore: “É uma música sobre ser um Jesus para outra pessoa, alguém para lhe dar esperança e carinho. É sobre como Elvis Presley era seu homem e seu mentor e com que frequência isso acontece nos relacionamentos amorosos; como o coração de todo mundo é como um deus de alguma forma, e essa não é uma visão muito equilibrada de alguém, é?

"Personal Jesus" alcançou o número 3 na Billboard Modern Rock Tracks dos EUA e ficou em 368 na lista da Rolling Stone de "As 500 melhores músicas de todos os tempos" e em setembro de 2006 foi votada como uma das "100 melhores músicas de todos os tempos" em Revista Q.

Na sequência de "Personal Jesus", mais três singles foram lançados: "Enjoy the Silence", que alcançou o número 1 nos EUA e diversos outros países, "Policy of Truth" (número 1 no US Modern da Billboard). Rock Tracks) e "World in my Eyes" (número 3 em US Hot Dance Singles da Billboard).

A esta altura, Depeche Mode era uma banda de estádio, a World Violation Tour quebrou alguns dos recordes da banda: 42.000 ingressos foram vendidos em quatro horas para um show no Giants Stadium e 48.000 ingressos foram vendidos em meia hora após a venda. para um show no Dodger Stadium. Estima-se que 1,2 milhão de fãs assistiram essa turnê em todo o mundo. Segundo o produtor Flood: “Lembro-me de vê-los no Giants Stadium, e eles quebraram o recorde de merchandising; de Bon Jovi, U2 - todas essas bandas - Depeche Mode eram as maiores!”

Songs of Faith and Devotion, seu oitavo álbum de estúdio foi lançado em 22 de março de 1993 no Reino Unido e um dia depois nos Estados Unidos. O álbum alcançou o número um em vários países, também tendo a distinção de estrear no número um no Reino Unido e nos EUA, sendo o Depeche Mode apenas o sexto artista britânico para alcançar este feito.

Como Dave Gahan se interessou pela nova cena do grunge que varria os EUA e foi influenciado por artistas como Jane's Addiction, Soundgarden e Nirvana, o álbum incorporou um tom mais agressivo e mais obscuro do que seu antecessor, Violator. Com o produtor Flood, a banda experimentou arranjos baseados tanto em guitarras elétricas distorcidas e bateria ao vivo tocadas por Alan Wilder. O primeiro single do álbum foi influenciado pelo grunge "I Feel You". As influências de Gospel Music também são notadas ao longo do álbum, especialmente no terceiro single, "Condemnation".

Songs of Faith and Devotion foi gravado durante oito meses em uma villa alugada em Madri durante 1992, com sessões extras em Hamburgo e Londres. A ideia de construir seu próprio estúdio em uma casa alugada onde a banda iria morar e trabalhar veio do produtor Flood, após seu trabalho no Achtung Baby do U2.

Embora o Violator tenha usado muito mais áudio gravado ao vivo do que os lançamentos anteriores do Depeche Mode, a banda ainda dependia muito do seqüenciamento, até o áudio de Violator foi quantificado com o tempo das músicas, resultando em uma sensação mais sequenciada. Para Songs of Faith and Devotion, a banda queria um espírito mais solto e menos programado. As faixas incluiriam baterias tocadas por Wilder, que foram sampleados e processados para formar loops de bateria usando o Cubase, mas mantendo toda a dinâmica e erros inerentes a uma performance humana. Enfeites como pratos invertidos foram adicionados mais tarde, a pedido de Wilder, que frequentemente sugeria elementos experimentais ao design de som da banda.

Para promover o álbum, a banda fez sua maior turnê até a data. O Devotion Tour durou quatorze meses, visitando 27 países e tocou para mais de dois milhões de pessoas em 158 datas. A turnê percorreu 160.000 quilômetros e exigiu 90 toneladas de equipamento.

A gravação do álbum e a turnê subsequente exacerbaram crescentes tensões e dificuldades dentro da banda. Segundo Flood, apesar do sentimento de que a banda estava gravando um de seus melhores trabalhos, as pequenas coisas do processo de gravação nunca transcorreram sem problemas, levando a discussões constantes, em grande parte não construtivas. As entrevistas dadas pela banda durante esse período eram conduzidas separadamente, ao contrário dos álbuns anteriores, onde a banda era entrevistada em conjunto. De acordo com o jornal britânico The Independent, "Gahan exigia doses de cortisona apenas para se apresentar, Gore tornou-se alcoólatra e sofreu duas crises induzidas pelo estresse. A depressão crescente de Andrew Fletcher resultou em um colapso nervoso completo e uma recusa em participar na segunda metade da turnê, tendo de ser substituído no palco por Daryl Bamonte. Em junho de 1995, Alan Wilder anunciou que estava deixando o Depeche Mode, citando uma distribuição de carga de trabalho altamente desigual, falta de reconhecimento de seus colegas de banda e diferenças criativas.

Mais tarde, Wilder compararia o atrito entre os membros dos Beatles durante a gravação do White Album com as condições que trabalhavam em Songs of Faith and Devotion: "estávamos no pior estado possível como membros, mas estávamos criando alguns dos nossos melhores trabalhos. histórias que eu ouvi sobre eles [os Beatles] nem estarem na mesma sala juntos - isso era o mesmo conosco ”, ele continuou explicando que “durante a criação desse álbum, eu realmente decidi deixar o grupo; embora eu não tenha saído até dois ou três anos depois, lembro-me de pensar nunca mais vou fazer outro disco nessas circunstâncias novamente, porque não é tão divertido. E a música deve ser divertida - deve haver algum tipo de diversão lá".

Neste ponto, com a saída de Wilder e os crescentes problemas com drogas de Dave Gahan, especulações sobre o fim de Depeche Mode eram altas. Gore tentou repetidamente levar a banda a gravar novamente, mas Gahan raramente aparecia e, quando o fazia, era inútil tentar gravar vocais. Uma sessão de seis semanas no Electric Lady em Nova York produziu apenas um vocal utilizável ("Sister of Night"), colado a partir de várias tomadas. Gore cogitou em dissolver a banda e lançar as músicas que ele havia escrito em um álbum solo.

Em 1996, após uma overdose quase fatal, Gahan entrou em um programa de reabilitação de drogas ordenado pela justiça para combater o vício. Depois que Gahan terminou a reabilitação, Depeche Mode finalmente começou as sessões do novo álbum.

Ultra foi lançado em abril de 1997, precedido por dois singles, "Barrel of a Gun" e "It's No Good". O álbum estreou no número 1 no Reino Unido e na Alemanha e número 5 nos EUA. Como a banda estava, de acordo com Fletcher "sem condições" físicas e emocionais, não houve turnê de divulgação do álbum, fazendo apenas dois concertos rápidos em Londres e Los Angeles, chamados "Ultra Parties". O álbum gerou mais dois singles, "Home" e "Useless".

Em 1988, Depeche Mode lançou a compilação de singles, The Singles 86–98, incluindo um novo single "Only When I Lose Myself", gravado durante as sessões do Ultra. Com ânimos curados e compensando a falta de turnê do Ultra, a banda anunciou a The Singles Tour, que foi a primeira a apresentar dois músicos de apoio no lugar de Alan Wilder - baterista austríaco Christian Eigner e tecladista britânico Peter Gordeno

Depeche Mode passou por sua pior crise e sobreviveu.


Leia a parte IV aqui.


Gostou? Compartilhe!


Notícias relacionadas:


© 2020 by Black / Blue Rock News

  • White Facebook Icon