Black Blue Cab.png
Buscar

Lançamento: Brat Moj | Laibach

Um vídeo perturbador para uma música perturbadora marca novo capítulo da série 'revisitada'.



Laibach acaba de lançar um novo vídeo para a versão "revisitada" de uma de suas primeiras canções 'Brat Moj' (Meu Irmão), incluída no álbum de 12 faixas 'Revisited' de 2020 com interpretações recentes de faixas da primeira metade dos anos 80, além de gravações ao vivo de duas faixas que participaram da recente turnê da banda, 'SMRT ZA SMRT' e 'TI, KI IZZIVAŠ', gravadas com a Orquestra Sinfônica RTV Eslovênia e a Orquestra Filarmônica de Lviv, respectivamente.


Embora seja uma nova gravação de estúdio, esta versão é conhecida pelos fãs do Laibach, pois é usada em suas apresentações ao vivo e foi gravada no álbum ao vivo no álbum 'Monumental Retro-Avant-Garde', gravado durante sua apresentação no Tate Modern Museum de Londres.



A arte de Laibach (ou 'Laibach Kunst', como se autodenomina) foi descrita como "radicalmente ambígua" e a banda é frequentemente acusada de posições políticas de extrema esquerda e extrema direita devido ao uso de uniformes e a estética estilo 'totalitário'. Eles também foram acusados ​​de serem membros do movimento neonacionalistas, que reencarna as idéias modernas do nacionalismo. Quando confrontado com tais acusações, Laibach é citado como respondendo de forma ambígua "Somos fascistas tanto quanto Hitler foi um pintor". No entanto, Laibach também forneceu a maior parte da trilha sonora de Iron Sky, um filme que zombava do nazismo. O filósofo esloveno Slavoj Žižek descreveu sua abordagem como “superidentificação radical”, que se resume, em um estado totalitário, a um comportamento mais totalitário do que o próprio estado.


Laibach também usa versões cover, subvertendo a mensagem original ou a intenção da música, para revelar a ambigüidade da linguagem e como discursos aparentemente inofensivos podem ser usados ​​para espalhar ideias perigosas. Um exemplo notável é a capa de 'One Vision' do Queen com letras traduzidas para o alemão sob o título 'Geburt einer Nation' (O Nascimento de uma Nação, título de filme que é criticado como defensor da supremacia branca), revelando a ambigüidade de versos como "Uma raça, uma esperança / Uma decisão real".


O vídeo, baseado no curta 'Celica' (A Caixa) criado em 2017 por Dušan Kastelic e reeditado por Lukas Miheljak é perturbador e tem um toque sombrio e, como muitos outros trabalhos de Laibach, está aberto à interpretação: De os perigos da conformidade com as pressões da vida moderna oprimindo a alegria da vida à violência física e psicológica de estados absolutos, drenando as pessoas (a nova Lei de Segurança Honk Kong da China; golpe em Mianmar).


Liked? Share!


Related news:

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo