Buscar

Discos favoritos: Reggatta de Blanc | The Police

Em uma entrevista para a Modern Drummer, Stewart Copeland o nomeou seu álbum favorito do Police e eu definitivamente concordo com ele.



A maioria dos artistas resiste aos rótulos, mas o Police foi uma das poucas bandas que foram realmente capazes de se distanciar deles fazendo música que, não importa o quanto os fãs e críticos tentassem, era difícil de classificar.


O início da banda estava no meio da segunda onda do punk rock, e os músicos altamente treinados eram excessivamente qualificados para a revolução que estava acontecendo. Sting era um aspirante a baixista e vocalista de jazz, Summers veio de uma formação de rock progressivo (‘Colored Rain’ do Trafic inclui um solo de guitarra de 4 minutos e 15 segundos de Andy Summers). A abordagem de Copeland para a bateria foi única, pelo menos no pop / rock, particularmente no uso do backbeat, como ele explica no vídeo do Produce Like a Pro ‘Songs that Changed Music’ sobre ‘Message in a Botlle’.


Embora seu álbum de estreia de 1978, Outlandos d’Amour, tivesse uma produção crua de baixo orçamento e energia punk, eles já faziam malabarismos com uma mistura de pop, jazz, rock, New Wave e (principalmente) reggae em sua infusão. Isso os tornou uma anomalia no final dos anos 70 e início dos anos 80, quando os punks e roqueiros tradicionais estavam criando linhas divisórias. Eles eram um grupo pop? Uma banda de rock? Um ato punk, pós-punk ou new wave? Eles poderiam ser outra coisa?


O fato é que eles foram ótimos desde o início. Em seu álbum de estreia, canções de 'Outlandos d'Amour' como 'So Lonely', 'Can't Stand Losing You' e seu sucesso de estréia 'Roxanne' mal indicam o que está por vir em seus curtos cinco anos de existência.


O segundo álbum da banda, lançado menos de um ano após o debut, soa muito como seu antecessor, mas destaca e expande a apropriação distintiva do reggae pelo Police. O álbum também se beneficia de uma produção mais apurada e segura, que dá a cada integrante da banda seu espaço na mixagem e traz as músicas ao seu potencial máximo.


O The Police optou, assim como nas sessões de 'Outlandos d'Amour', por gravar no Surrey Sound com Nigel Gray. Uma decisão que foi contra os desejos de sua gravadora, A&M Records, que queria colocar a banda promissora com um produtor mais famoso em um estúdio maior, mas o orçamento menor (entre £ 6.000 e £ 9.000) poderia ser facilmente coberto pelo lucros de seu álbum anterior, garantindo que a gravadora teria pouco controle sobre o processo de criação da banda.



‘Reggatta’ é frequentemente acusado de ser um álbum infestado de ‘fillers’ (músicas que foram gravadas apenas para “preencher” ou completar a duração pretendida do álbum), o que é tecnicamente verdade. Considerando que "Outlandos" se beneficiou de um dos períodos de composição mais prolíficos da vida de Sting, as sessões de gravação de Reggatta de Blanc eram tão carentes de material novo que a banda chegou a considerar a regravação de "Fall Out" em determinado momento.


Para preencher as lacunas, Sting e Copeland desenterraram canções antigas que haviam escrito e usaram elementos delas para criar novas canções. Muito "Bring On the Night" e "The Bed's Too Big Without You" foram reciclados das músicas Last Exit de Sting. ‘Does Everyone Stare’ origina-se de uma peça para piano que Copeland escreveu na faculdade. O álbum é a única música (até onde eu sei) escrita pelo Police como um grupo, ‘Deathwish’. Uma parte instrumental estendida para as versões ao vivo do hit anterior, ‘Can't Stand Loosing You’, foi gravada para o álbum (e se tornou ‘Reggatta de Blanc’ a outra “música” creditada como sendo composta pela banda). Finalmente, ‘No Time This Time’, um lado B de ‘So Lonely’, foi adicionado para preencher o tempo de execução do álbum.


O álbum não foi apenas um sucesso comercial como resultado de ‘Message in a Bottle’ e ‘Walking on the Moon’, mas também apresentou a ambiciosa experimentação da banda com a música reggae, criando um som único. Na minha opinião, um álbum fantástico é aquele em que até as faixas "ruins" são ótimas e, embora muitas das músicas do álbum possam ser rotuladas como "fillers", são faixas fantásticas. As canções "patetas" de Copeland funcionam muito bem no álbum e podem ser um sinal de um dos poucos momentos felizes na banda. ‘Reggatta de Blanc’, a seção intermediária instrumental de ‘Can't Stand Loosing You’, acabou ganhando o Prêmio Grammy de Melhor Performance Instrumental de Rock.


Reggatta de Blanc continuou a construir sobre o sucesso de Outlandos d'Amour, atingindo o primeiro lugar nas paradas britânicas, australianas e holandesas em seu lançamento em outubro de 1979, e abriu o caminho da banda para o sucesso. ‘Message in a Bottle’ e ‘Walking on the Moon’ foram lançados como singles e ambos alcançaram o primeiro lugar no Reino Unido.


Reggatta de Blanc apareceu com frequência nas listas profissionais dos melhores álbuns. A Rolling Stone lista isso em seus 500 melhores álbuns de todos os tempos. Também foi incluído no livro 1001 Álbuns que você deve ouvir antes de morrer. O site agregado Acclaimed Music lista Reggatta de Blanc como o 109º álbum mais aclamado da década de 1970 e o 365º álbum mais aclamado da história. Segundo o jornalista de rock Tim Peacock, com o sucesso, o álbum transformou o Police "em uma das bandas que definiram a era pós-punk".


Em uma entrevista para o Modern Drummer, Stewart Copeland o nomeou seu álbum favorito do Police e eu definitivamente concordo com ele!



Gostou? Compartilhe!

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

© 2020 by Black / Blue Rock News

  • White Facebook Icon