Buscar

Music for The Masses - Parte IV.

Atualizado: Set 19

Como Depeche Mode conquistou o mundo: A Evolução.



Leia a primeira parte aqui.

A segunda aqui.

E a terceira aqui.


Após a curta Singles Tour em 1998, a banda se retirou para férias de três anos. Durante esse período, Martin Gore começou a ouvir música eletrônica mais abstrata, o que levou à inspiração para a paisagem sonora do próximo disco, Exciter.

Com o produtor Mark Bell, da dupla techno LFO, a banda criou um som minimalista e digital para o álbum. Além dos sons eletrônicos, o Depeche Mode também adicionou elementos de blues tradicional, retro funk, rock progressivo e pop orquestral aos seus arranjos, levando à paisagem sonora experimental do álbum.

Lançado em maio de 2001, o álbum recebeu críticas mistas da imprensa especializada, com críticas razoavelmente positivas de algumas revistas (NME, Rolling Stone e LA Weekly), enquanto outras (incluindo a revista Q, PopMatters e Pitchfork) criticaram o álbum dizendo que estava subproduzido e sem brilho.

O álbum foi precedido pelo single "Dream On", sucesso nas paradas, atingindo número 1 na Dinamarca, Alemanha, Itália, Espanha, UK Indie e EUA Dance Club e Hot Dance Music Charts.

Apesar das críticas mistas, o álbum vendeu bem, estreando no número nove na parada de álbuns do Reino Unido e número oito na Billboard 200, vendendo nada menos que 115.000 cópias em sua primeira semana nos Estados Unidos. O álbum foi certificado em ouro ou platina na maioria dos mercados europeus e americanos, incluindo EUA, Reino Unido, Canadá e França. Três singles extras sairam do album: "I Feel Loved", "Freelove" e "Goodnight Lovers".

Para promover o álbum, a banda embarcou na Exciter Tour de cinco meses, que contou com 84 apresentações para mais de 1,5 milhão de fãs em 24 países. A turnê também gerou o DVD ao vivo intitulado One Night in Paris, filmado em Paris no Palais Omnisports de Paris-Bercy.

Aprendendo com os erros do passado, a banda começou a fazer longas pausas, permitindo liberar as tensões do processo de gravação / turnê. Durante esse interregno, os membros trabalharam em projetos pessoais: Gahan lançou seu primeiro álbum solo, Paper Monsters, e excursionou para promover o disco, Gore lançou seu segundo álbum solo Counterfeit² e Fletcher fundou sua própria gravadora, Toast Hawaii, especializada em promover música eletrônica.

Em 2005, o Depeche Mode estava pronto para o próximo álbum, as sessões foram realizadas no Sound Design (Santa Barbara, Califórnia), Stratosphere Sound (Nova York) e Whitfield Street (Londres), resultando em Playing the Angel. Com um som mais áspero e groovier que o Exciter, o álbum é, como descrito por Gillian Telling da Rolling Stone, um retorno à "mistura clássica da banda, com batidas synth-pop, riffs de guitarra pesados ​​e letras sombrias". O uso intenso de sintetizadores analógicos gerou um som mais orgânico.

Playing the Angel também é o primeiro álbum do Depeche Mode a apresentar músicas não escritas por Gore, com "Suffer Well", "I Want It All" e "Nothing's Impossible", escritas por Gahan (letra) e Christian Eigner e Andrew Phillpott (música) .

O álbum foi lançado em outubro de 2005, com críticas positivas e sucesso comercial. Foi apoiado por quatro singles "Precious", "A Pain to habitued", "Suffer Well" e "John the Revelator" / "Lilian" e "Touring the Angel" alcançando o número um em mais de 10 países e recebendo certificações de ouro e platina em 15 países.

A turnê Touring the Angel começou em novembro de 2005 e durou nove meses. Durante as duas últimas partes da turnê, a banda encabeçou uma série de festivais, incluindo o Coachella, Valley Music and Arts Festival e o O2 Wireless Festival. No total, a banda tocou para mais de 2,8 milhões de pessoas em 31 países, sendo uma das turnês mais lucrativas e aclamadas pela crítica em 2005/06. Dois shows no Fila Forum de Milão foram filmados e lançado em DVD como Touring the Angel: Live in Milan.

Durante as férias da banda, duas compilações foram lançadas, uma compilação "best-of" em novembro de 2006, intitulada The Best Of, Volume 1, que apresenta como um novo single uma saída das sessões Playing the Angel, "Martyr". Em dezembro de 2006, o box-set digital Complete Depeche Mode foi lançado no Itunes. Durante esse período, Dave Gahan lançou seu segundo álbum solo, Hourglass.

Após 2 anos, o Depeche Mode voltou aos estúdios de maio de 2008 a dezembro de 2008 para gravar o que se tornaria seu 12º álbum, Sounds of the Universe. Com Ben Hillier na produção novamente, a banda descreveu o tempo no estúdio como muito produtivo, com um total de 22 músicas criadas, com apenas 13 fazendo o corte final do álbum, mas com a maioria delas lançadas como parte das edições de luxo ou box-sets. Mais uma vez, Gaham, juntamente com Christian Eigner e Andrew Phillpott, contribuiram com três músicas: "Hole to Feed", "Come Back" e "Miles Away / The Truth Is".

O álbum recebeu críticas positivas: Leah Greenblatt, da Entertainment Weekly, afirmou que em Sounds of the Universe, Depeche Mode "ainda parece genuinamente inspirado", enquanto Ned Raggett, da AllMusic, disse que o álbum "é um conquistador, necessitando algumas audições para ter efeito total, mas quando o faz, mostra O Depeche Mode ainda é capaz de combinar a acessibilidade pop e sua uma mão própria sobre a música 'raíz' para uma era eletrônica com experimentação e recombinação sônicas ". O álbum também foi indicado ao Melhor Álbum de Música Alternativa no Grammy Awards de 2010, mas perdeu para Wolfgang Amadeus Phoenix.

Sounds of the Universe estreou no número dois na parada de álbuns do Reino Unido e número três na Billboard 200, o álbum alcançou número 200 na parada de final de ano da Billboard 200 em 2009 além de obter certificações de ouro / platina em muitos mercados.

Promovendo o álbum, a banda lançou três singles: "Wrong", "Peace" e o duplo de "Fragile Tension" e "Hole to Feed". Um single promocional, "Perfect" também foi lançado nos Estados Unidos.

Mais uma vez, a banda embarcou em uma turnê de apoio ao álbum, intitulada Tour of the Universe, tocando para mais de 2,7 milhões de pessoas em 32 países. Eles fizeram um show de aquecimento no Luxemburgo e começou oficialmente em 10 de maio de 2009 em Tel Aviv. Durante a parte norte-americana da turnê, a banda encabeçou o festival Lollapalooza. A turnê também levou a banda de volta à América do Sul pela primeira vez desde a Exotic Tour de 1994. Durante a etapa final da Europa, a banda fez um show beneficente no Royal Albert Hall, em Londres em auxílio ao Teenage Cancer Trust, onde o ex-membro Alan Wilder se juntou a Martin Gore no palco para uma apresentação de "Somebody". Os shows realizados em Palau Sant Jordi, Barcelona, ​​Espanha foram filmados e posteriormente lançados sob o título de Tour of the Universe: Barcelona.

Delta Machine, o 13º álbum de estúdio, foi a terceira colaboração com o produtor Ben Hillier e viu o retorno de Flood como engenheiro de mixagem. "Heaven", o primeiro single da Delta Machine, foi lançado em 1º de fevereiro de 2013 nos EUA e em 18 de março no Reino Unido. embora a banda tenha rompido os laços com seu antigo selo Mute, o lançamento físico do single ostentou o logotipo da Mute Records. Segundo Fletcher, isso se deve à sua "devoção" à gravadora e à insistência da banda.

Mais dois singles foram lançados "Soothe my Soul" e Should be Higher". Gahan, agora escrevendo com Kurt Uenala, compôs cinco músicas, três foram lançadas na edição padrão e mais duas na edição deluxe. Havia pela primeira vez uma composição escrita por Gore e Gahan.

Com críticas positivas, Delta Machine estreou no número dois no Albums Charts británico, número seis no Billboard's 200 (EUA), número um no Albums Chart alemão e número dois na França, recebendo certificação ouro / platina em maioria dos mercados.

A Delta Machine Tour, uma turnê mundial de 11 meses, foi a 9ª turnê com maior bilheteria de 2013, com os shows de novembro de 2013 em Berlim filmados por Anton Corbijn e lançados para o CD / DVD Depeche Mode Live em Berlim.

Em janeiro de 2016, a banda sentiu que estava pronta para voltar ao estúdio de gravação, com Gore e Gahan já tendo escrito e gravado demos das novas músicas. As sessões ocorreram de abril a agosto nos Sound Design Studios (Santa Barbara, Califórnia) e Jungle City (Nova York) com o produtor James Ford.

De acordo com Dave Gahan, em uma entrevista à Vevo, grande parte da inspiração por trás do Spirit veio de seu desgosto pelo clima político nos Estados Unidos e no Reino Unido, ele afirmou que "estamos realmente chateados com o que está acontecendo no mundo".

Continuando a tradição iniciada com Playing the Angel, os deveres de composição foram divididos por Gore; Gahan / Gore; Gahan / Gordeno / Eigner e Gahan / Uenala.

O álbum, lançado em 17 de março de 2017, foi precedido pelo single "Where's the Revolution", lançado em 3 de fevereiro, inicialmente em um vídeo só com as letras da música e, uma semana depois, o vídeo oficial em preto e branco com tema distópico. Dois singles extras foram lançados, "Going Backwards" e "Cover Me"

Bem recebido pelos críticos após o lançamento, Spirits estreou no número cinco na parada de álbuns do Reino Unido e no número cinco na Billboard 200 dos EUA, alcançando ouro / platina nos mercados europeus.

Com 130 shows ao redor do mundo, a Global Spirit Tour de 15 meses se tornaria a maior turnê da banda. Os dois últimos shows da Global Spirit Tour foram gravados para o filme de concerto e o documentário Spirits in the Forest.

Lançado nos cinemas em 2019, o filme, junto com as cenas dos dois últimos shows da Global Spirit Tour, narra a história de seis fãs, com a equipe de produção viajando para cada uma das cidades natal dos fãs para filmar suas histórias enquanto viajavam para ver o concerto final do Global Spirit Tour.

Continuando a tradição de gravar e lançar pelo menos um show em cada turnê, o Spirits in the Forest foi lançado em em junho de 2020, tornando-se o oitavo álbum ao vivo do Depeche Mode.

Legado:

Com uma carreira de quatro décadas, 14 álbuns de estúdio, 54 singles e mais de 100 milhões de discos vendidos, o Depeche Mode se tornou uma das bandas mais bem-sucedidas e influentes da história.

A contribuição da banda para a música é reconhecida por críticos, artistas e indústria, sendo, em 15 de janeiro de 2020, eleita para o Hall da Fama do Rock and Roll. Eles também são classificados em várias listas de revistas especializadas, incluindo o número 2 na lista dos 100 maiores artistas da música eletrônica do Reino da Música Eletrônica, o número 158 na lista dos 1000 Maiores Artistas de Todos os Tempos da Acclaimed Music e uma dos "50 bandas que mudaram o mundo" pela Q Magazine.

Tendo influenciado artistas de vários estilos, incluindo: a-ha, Arcade Fire, Coldplay, The Crystal Method, The Killers, Linkin Park, Marilyn Manson, Muse, Nine Inch Nails, No Doubt, A Perfect Circle e Rammstein, só podemos esperar que um novo capítulo nesta história incrível seja escrito nos próximos anos.

Enjoy the Music!


Gostou? Compartilhe!


Notícias relacionadas:

© 2020 by Black / Blue Rock News

  • White Facebook Icon